domingo, 7 de junho de 2015

Tem poesia

(Luiz Henrique Costa)

Tem poesia para vender
Para comprar, para amar
Tem poesia que não deixa calar

Tem poesia debaixo do pé
Na sola do sapato
Tem poesia na sombra
Que te acompanha
Escorada num muro de chapisco

Tem poesia no resto
No lixo, lá fora
Tem poesia no fundo da sacola
Nos fundilhos das calças
No remendo da cueca

Tem poesia que virou pó
E que a gente inalou

Tem poesia no chão
No barro, na lama
Tem poesia que ensina e que engana

Tem poesia que é fantasia
Fantasma de infante

Tempo poesia concreta
Que não dissolve
Que não resolve

Tem poesia pura, adulterada
Estragada - fora de validade

Tem poesia que sangra
Que coagula
Que cura e deixa cicatriz


Nenhum comentário: